Dois anos após lançamento, Adele vende mais de 500 mil cópias do “21” nos EUA em 2013

imagens

 

Engana-se quem pensa que o fenômeno de vendas do álbum “21”, da Adele, já passou. Lançado em janeiro de 2011, o disco continua registrando bons números nos EUA. Só em 2013, foram mais 500 mil cópias vendidas no país, de acordo com as novas atualizações da NielsenSoundScan.

Nesta semana, o CD até subiu algumas posições na Billboard 200, o ranking dos mais vendidos dos EUA. “21” saiu da 59ª para a 56ª posição, e o álbum já está na lista há 133 semanas consecutivas. Os números são impressionantes, visto que a cantora não divulga mais o disco há muito tempo. Sua última aparição foi no Oscar, no início do ano, cantando “Skyfall”, uma música que sequer faz parte deste projeto.

Segundo a Billboard, “21” é o álbum mais vendido da década nos EUA, com mais de 10 milhões de unidades. Para se ter uma ideia, o segundo mais vendido é “Recovery”, do rapper Eminem, mas com menos da metade das vendas da inglesa: 4.460.000.

Via: Popline

[Foto]: Adele visita zoológico do Central Park 26.06.2013

Adelecentrismo_adele_capa_adele_centralparkPelo visto Adele não está mais se importando com os paparazzis tentando fotografar seu filho de 8 meses, Angelo.

A cantora  saiu com o filho esta manhã em Nova York para uma visita ao zoológico do Central Park. Acompanhada por cinco amigos, Adele foi fotografada segurando Angelo em um braço enquanto crianças brincavam ao redor deles.

Adele, Angelo e seus amigos estavam cercados por seguranças, eles se divertiram por mais de uma hora na parte principal do jardim zoológico, olhando leopardos da neve, ursos polares, pinguins e outras aves e animais.

adelecentrismo_adele_angelo_26_06

[Fotos]: Adele recebe certificado pelas 10 milhões de cópias do álbum ’21’ nos EUA

imagens (1)

 

Na última sexta feira, 21, em Nova York, Adele foi presentada com um Diamond Award da RIAA, pelas vendas do álbum”21″ nos EUA que vendeu mais de 10 milhões de cópias. A cantora, é a única artista feminina britânica na história a ganha está certificação.

Além também de ser a única artista britânica a ganhar a certificação de diamantes em menos de dois anos de lançamento do álbum. Confira a foto abaixo em HQ:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Via Portal Adele Brasil

Novas fotos da Adele fazendo compras em Los Angeles

20108_540924092592124_1068769266_n

Adele foi vista hoje, 11, saindo da loja Bel Bambini Baby Boutique Beverly Hills. Com certeza a cantora estava fazendo compras par o seu filho. Fotos na galeria abaixo.

Adele, Lana Del Rey, Jessie J, Rihanna e One Direction estão entre os discos mais vendidos do Reino Unido em 2012

Adelecentrism_022

 

O ranking dos CDs mais vendidos de 2012, até o momento, foi divulgado pela Official Charts Company e o álbum que lidera a lista é “Our Version of Events”, da Emeli Sandé, com quase 1 milhão de cópias. O fenômeno de 2011 “21”, da Adele, se manteve um sucesso neste ano e aparece em 2º lugar, na frente de vários lançamentos.

Sem liberar números, a empresa responsável pelas paradas britânicas também aponta que “Born To Die”, da Lana Del Rey, foi o 3º álbum mais vendido de 2012 no país. No Top 10, aparecem também “Who You Are”, da Jessie J, “Talk That Talk”, da Rihanna, e “Up All Night”, do One Direction.

Lançamentos mais recentes, inclusive dos cantores citados, não entraram na lista. O Reino Unido tem população de 62 milhões de habitantes, o que representa um mercado consideravalmente pequeno, se comparado ao dos EUA (311 milhões de pessoas) e até mesmo ao do Brasil (193 milhões).

Confira o ranking:

1. Emeli Sandé: Our Version of Events
2. Adele: 21
3. Lana Del Rey: Born to Die
4. Ed Sheeran: +
5. Coldplay: Mylo Xyloto
6. Mumford & Sons: Babel
7. Jessie J: Who You Are
8. Rihanna: Talk That Talk
9. Paloma Faith: Fall to Grace
10. One Direction: Up All Night

 

Adele.tv comenta sobre o recorde do “21”

O blog oficial de Adele (Adele.tv) publicou hoje (28), uma nota sobre o álbum 21 que bateu a marca de 10 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos. Vejam a tradução abaixo:

21 ULTRAPASSA 10 MILHÕES DE VENDAS NOS EUA

Temos o prazer de anunciar que o álbum de Adele, “21” atingiu outro marco importante esta semana, superando 10 milhões de álbuns vendidos nos EUA Essa conquista vendas dá à Adele e ao “21” certificado de diamante pela pela RIAA. Adele é a única artista britânica ou européia feminino na história a ganhar esta certificação e é também a único artista britânica ou européia de todos os tempos a ganhar a certificação do diamante em menos de dois anos desde seu lançamento.

21 também tem a distinção de ser o único disco-singe na última década a alcançar a certificação de Diamante em menos de dois anos.

Post original aqui.

Revista ‘Rolling Stone’ divulga texto da matéria sobre Adele


Rolling Stone, divulgou um trecho da matéria “The Triumph of Adele“, que está na edição de outubro da revista. A revista deve chegar as bancas americanas na sexta-feira, 12 de outubro.

Quando Adele lançou seu segundo álbum, 21, em Janeiro de 2011, poucas pessoas puderam prever que ele se tornaria o maior sucesso da indústria da música em anos, vendendo aproximadamente 10 milhões de cópias, colocando 6 singles no topo dos charts e vencendo 6 Grammys, incluindo os de Álbum, Gravação e Música do Ano. A nova edição da Rolling Stone, nas bancas Sexta, 12 de Outubro, conta a história não contada da produção do clássico moderno, e inclui entrevistas com o empresário de Adele, Jonathan Dickins, o produtor executivo Rick Rubin, o seu colaborador de composições Ryan Tedder e muitos outros – incluindo fãs como André 3000, Aretha Franklin e até Neil Diamond.

A matéria, escrita pelo editor da Rolling Stone David Browne, também revela como Adele mudou de rumo com o álbum, largando muitas das faixas produzidas por Rick Rubin a favor de antigas e cruas músicas. Aqui está um trecho:

Na primavera de 2010, Adele, Rubin e sua equipe de músicos escolhidos a dedo – incluindo o tecladista James Poyser da banda Roots e o guitarrista Matt Sweeney – se reuniram em um estúdio de Malibu para gravar o novo álbum de Adele. Ao longo de 2 semanas, eles produziram a maioria das canções, incluindo “Someone Like You.” Rindo, conversando e fumando durante os intervalos, Adele se concentrava em seu canto quando chegava a hora de gravar. “Na primeira vez que gravamos ‘Rolling In The Deep’, eu tive que checar pra ter certeza que era realmente ela que eu estava ouvindo em meus fones de ouvido,” diz o antigo guitarrista de Bake, Smokey Hormel, que também faz parte da banda. “Parecia uma gravação assim que saiu da boca dela. Soou tão perfeito. E toda vez que ela voltava para gravar novamente, seu desempenho era ainda melhor. Você pensaria, ‘Mas que diabos!” (Eles também gravaram um cover de “Lovesong”, do The Cure, o qual Rubin havia preparado originalmente para um possível projeto de Barbra Streisand.)

O álbum deveria estar finalizado – mas não estava, ao menos na cabeça de Adele. Ouvindo às músicas de Rubin, ela sentiu que algo estava faltando: o nervo emocional explícito, ouvido nas primeiras versões de “Rolling In The Deep”, “Someone Like You”, “Rumour Has It” e “Set Fire To The Rain”. “É difícil recriar aquela emoção nove meses depois,” diz Epworth. No fim, ela fez uma difícil decisão: descartar a maioria das sessões de gravação de Rubin, usando apenas 4 delas, e as substituindo com takes antigos. “Foi preciso muita coragem,” diz Abbiss, que recebeu uma ligação de Adele após seu trabalho com Rubin. “Ela queria tentar recapturar a simplicidade da primeira vez.” Eles produziram “Take It All” e “Turning Tables” em menos de uma semana, dentro do prazo.

Rubin admite ter ficado um pouco surpreso com a decisão de Adele. “Eu fiquei surpreso porque ela tinha sido tão clara sobre querer soar como se as músicas tivessem vindo de um único canto,” ele diz. “Ela queria ter o espírito de uma banda consistente, então aquilo, de faixa em faixa, iria soar como o mesmo grupo de pessoas em um mesmo local – um álbum unificado. Também entendi que ela vinha ouvindo algumas das demos por um longo tempo, e que quando aquela familirialidade é construida, às vezes isso triunfa sobre tudo.” Rubin compara a situação com sua primeira experiência ao gravar com Johnny Cash. “Nós gravamos demos por um longo período de tempo, então tentei gravar as músicas de várias formas diferentes,” ele relembra daquele álbum, “mas no fim, nós decidimos lançar as demos como parte do álbum.” 21 soa unificado, de qualquer forma: um álbum produzido e arranjado quase que perfeitamente, em transição entre a indignação irritante e a ternura, brilhantes baladas de piano e R&B retrô, tristes batidas e cruas intimidades.

Via: AdeleBR